A cultura e as línguas clássicas

pesquisar

 
Sexta-feira, 28 / 04 / 17

Falando de aves e de mitologia grega

O mocho-galego

 

Ave nocturna muito comum em Portugal, pouco maior que um melro. É fácil de observar porque tem hábitos parcialmente diurnos, pousa em pontos altos e à beira das estradas ( in http://www.avesdeportugal.info/athnoc.html ).

Captura de ecrã - 2017-04-28, 11.28.48.png

Nome científico: Athene noctua (noctua, em latim significa coruja; nome relacionado com nox, noctis “noite”)

 

O nome científico remete-nos para a mitologia — coruja de Atena.

A coruja era a ave consagrada à deusa Atena, protectora de Atenas, com o seu templo na Acrópole.

Templo-de-Atenea-Niké.jpg

Templo de Atena Níke na Acrópole de Atenas (νίκη “vitória”)

 

A deusa Atena (Minerva para os Romanos) tem também como símbolo a oliveira por ter sido vencedora na luta contra Posídon pela posse da Ática, fazendo nascer do solo uma oliveira.

Atena-dracma.png

Tetradracma com a representação de Atena, a coruja e a oliveira

1 euro.jpg

Moeda grega de 1 euro com a coruja de Atena.

 

A coruja (mocho-galego) passou a ser símbolo de sabedoria, tal como a oliveira de Atena se tornou o símbolo da paz.

 

publicado por isa às 12:10
Sábado, 08 / 04 / 17

O nó górdio

Górdio era uma cidade da Frígia (região da Ásia Menor, actualmente território da Turquia), nome que deriva de um dos seus reis, Górdio.

 

Conta a lenda que, em tempos remotos, estando a Frígia mergulhada em terríveis lutas internas, eis que, certo dia, quando os Frígios estavam reunidos em Assembleia, chega à cidade um camponês, com sua mulher e filho, num carro puxado por bois.

Acontece que um oráculo tinha dito que um carro de bois lhes traria um rei que poria fim aos distúrbios. Acreditando nas previsões do oráculo, os frígios elegeram Górdio como seu rei.

Górdio, como agradecimento, dedicou o seu carro a Júpiter, colocando-o na Acrópole atado com o jugo e um nó difícil de desatar.

Após um longo reinado de paz e prosperidade, a Górdio sucedeu seu filho Midas, que morreu sem deixar sucessor.

 

Então um novo oráculo anuncia que quem conseguisse desatar o nó do carro gordiano, que muitos tentavam desatar sem sucesso, seria o rei de toda a Ásia.

 

Um dia Alexandre, O Grande, entra na cidade e vê na Acrópole o carro e o complicado nó.

Assim nos conta o historiador Quinto Cúrcio (3, 1, 12-14):

Vehiculum quo Gordium, Midae patrem, uectum esse constabat, aspexit, cultu haud sane a uilioribus uulgatisque usu abhorrens. Notabile erat iugum adstrictum conpluribus nodis in semetipsos inplicatis et celantibus nexus.

 

“Viu o carro no qual constava que Górdio, pai de Midas, tinha sido transportado, que, na aparência, não diferia dos mais comuns e vulgares em uso. Notável era o jugo apertado com vários nós entrelaçados em si mesmos e com os laços escondidos.“

 

Quando os habitantes lhe falaram no oráculo, Alexandre tentou cumprir a previsão. Os Frígios rodearam-no, para ver de que modo ele resolveria o intrincado nó que ninguém tinha conseguido desatar, visto que as laçadas estavam feitas com tal arte que não era possível ver nem o princípio, nem o fim ( ut unde nexus inciperet quoue se conderet nec ratione nec uisu perspici posset).

 

Então, Alexandre terá dito:

 

 

"Nihil interest quomodo soluantur",

e

gladioque ruptis omnibus loris oraculi sortem uel elusit uel impleuit.

 

“ “Não interessa a forma como são desatados” e tendo cortado com a espada todas as correias, cumpriu ou zombou do sentido do oráculo.”

 

 

Assim a expressão “nó górdio” ficou como metáfora para designar uma dificuldade que parece impossível de resolver, significando “desatar o nó górdio” a capacidade para, de forma inesperada, resolver o que parecia impossível.

 

publicado por isa às 20:58
Quarta-feira, 05 / 04 / 17

Etimologias — exame e enxame

Exame e enxame a mesma origem etimológica

 

À primeira vista estas duas palavras, com significados bem distintos, parece que nada têm a ver uma com a outra. No entanto, têm uma origem comum.

 

Exame e enxame provêm do mesmo étimo latino: examen.

O vocábulo examen significava, em latim, um conjunto de animais ou pessoas, aparecendo a designar um grupo de homens, ou um conjunto de peixes, ou de abelhas, daí, enxame.

A palavra está relacionada com a raiz do verbo ago e o seu composto ex-ago > exigo.

 

Vejamos:

Verbo ago, agis, agere, egi, actum : pôr em movimento; fazer avançar; agir; fazer.

Desta raiz temos o nome agmen, agminis que significa, em termos latos, multidão; é o termo usado, na linguagem militar, para designar um exército em marcha.

Com o profixo ex-, o nome examen, examinis, tem o mesmo sentido de “multidão” e, portanto, examen apium = uma multidão de abelhas, um enxame.

Ainda com o mesmo prefixo ex-, o verbo exigo, exigis, exigere, significa “tirar para fora”, “expulsar” e também, por isso, examinar, medir, pesar.

Examen, substantivo, era ainda o nome que designava o fiel da balança.

Então examen significa também “exame” (do estudante) e não só, e toda a ideia de medir, pesar.

 

Assim se explicam as palavras divergentes, em português, exame e enxame, sendo esta última resultante de uma evolução fonética, motivada, certamente, pela pronúncia do x em determinada época e região, e que levou ao acrescento da consoante nasal –n.

 

Com esta mesma raiz se relacionam outras palavras portuguesas: agir, agente, agenda, exigir, reagir, redigir e também (da raiz do supino – actum) acto, acção, acta, actor, redacção, entre outras.

publicado por isa às 19:00
Temas a tratar: o latim e o grego — seu estudo; a língua e a cultura; as origens da língua portuguesa; etimologias; a cultura clássica e a cultura portuguesa

mais sobre mim

Abril 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

últ. recentes

  • Curioso :)
  • A influência grega veio mais tarde. O que os roman...
  • Não imaginava, pensei que Júpiter fosse superior ...
  • Jano era um deus itálico, não tem correspondente n...
  • "Post" muito interessante! Qual era o deus grego ...
  • Obrigado, seu texto me foi útil.
  • Li a ode à Glória do poeta na tradução de M.H.Roc...
  • A minha frase latina favorita é mesmo "labor omnia...
  • Concordo. O Latim não está morto. Basta olharmos p...

mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro